domingo, 26 de abril de 2009

A fábula do pássaro

Um pássaro belo e de cor distinta sobreava por sobre as casas,pensativo em relação às ações humanas.Por vezes,simples ações por parte desses seres,podiam destruir todo um futuro para uma espécie ou destruir a toda uma família de pássaros como ele.Já havia acontecido.Ele conheceu um pássaro argentino que cantarolando contou-lhe que quando ele morresse já não existiriam outros pássaros de sua espécie naquela região da Argentina.E o pássaro belo,distinto e inteligente pensou:"Mas que cambada de filhos-da-puta.Já destroem suas próprias vidas com rotinas cheias de excessos estúpidos e necessidades vazias,ainda tentam acabar com possíveis futuros de outras raças que não a deles".Irritado e atordoado com essas reflexões,o pássaro começou a observar melhor os seres humanos e tentar entender o porquê de tanto ódio para com eles mesmos e para com os outros seres.Na primeira oportunidade que teve parou em um galho de árvore,em cima de um galho onde um casal se beijava.Observou aquilo e pensou:"Ah,pelo menos nisso eles não falham.Na hora de se reproduzir e se multiplicar como coelhos,eles nunca falham".Ele ouviu o homem do casal dizer alguma coisa relacionada a sexo e após isso,os dois se levantaram e foram embora.O pássaro curioso seguiu-os até o momento em que entraram em uma casa e depois em um quarto.Depois disso,só ouviu gemidos e barulhos bem fáceis de se compreender.Cansado de observar a futilidade humana naquele dia,voltou para seu ninho,com a sua família.No dia seguinte,observou crianças em uma escola e viu quão belas e ingênuas podiam ser aquelas criaturas no princípio de suas vidas e se perguntou:"Como pode algo tão bonito transformar-se no poço de estupidez,malícia e vulgaridade que é a maioria das pessoas"?Após isso,chorou.Chorou por pena.Por pena daqueles seres tão escrotos e por pena de outras aves,que não teriam próximas gerações devido à ação humana.No terceiro,e último,dia de observação,a bela ave se situou perto de meninos que soltavam pipa.Um deles começou a observá-lo demais e ele ficou um pouco preocupado mas foi algo passageiro.Instantes depois,o menino já havia aparentemente desviado sua atenção.Alguns minutos depois,sem saber de onde tinha vindo a pedra,o pássaro simplesmente encontrou-se ao chão,observando o guri vitorioso de estilingue nas mãos.Deu seu último pio,assobio ou o que quer que seja e um pouco depois encontrava-se morto nas mãos do garoto.


OBS.:Saiu,simplesmente saiu.Bobo,ingênuo,eu escreveria algo assim com 10 anos de idade,ou menos,mas é isso.

Um comentário:

Báah - Thoughtless disse...

Não achei bobo, muito menos ingênuo. Você se subestima,Black.


"Mas que cambada de filhos-da-puta.Já destroem suas próprias vidas com rotinas cheias de excessos estúpidos e necessidades vazias,ainda tentam acabar com possíveis futuros de outras raças que não a deles".

Eu não deveria ter gostado tanto disso, justamente porque me encontrei nessa descrição.