quinta-feira, 2 de abril de 2009

O Passeio

Numa estrada deserta,vazia,no interior do país.Por dentro da madrugada,descobrindo o mato que passa rapidamente ante meus olhos,vendo quanta beleza esse país esconde.Uma beleza alternativa,incomum,ingênua.Uma beleza intocada.É só isso mesmo:a beleza do intocado.Tudo parece tão modificado pelo homem e nos resta admirar os belos prédios,as grandiosas estátuas e coisas assim.Não é só isso.Existe mais.Onde?Esse é o problema.Esconde-se pra bem longe de nós.É uma beleza que dói de se olhar.Faz cócegas em sua mente e te pergunta:"Por onde você tem andado?Você tem tido contato com a natureza?"Sim,ela intimida,incomoda.Mas agrada,acalma,pacifica,clareia.Clareia a vida,a visão,os sonhos.Se em nossos cotidianos,somos pessoas complexas,de idéias complexas,amizades complexas,necessidades complexas,vícios complexos,tudo fica simples e claro.Tudo é pronto,tudo é já.Eu vivo dizendo pra mim mesmo o quanto preciso disso.Desses passeios,dessas viagens,dessa paz,dessas pazes.Fazer as pazes comigo mesmo.Pedir desculpas ao meu corpo e,acho que também à minha mente.Por tudo.Pelo fast-food que faz mal e nem é tão gostoso,pelos relacionamentos que nos agridem e são desnecessários,pelo trabalho que já não é mais tão agradável e doce quanto parecia no início.Pela impaciência com quem não tem nada a ver com sua história.Eu gostaria de pedir desculpas também às pessoas que eu já tratei mal nessa vida.Foram poucas,eu sei.Pouquíssimas mas eu posso ser cruel,às vezes.Todos podem,acho que todos são,ao menos uma vez na vida,salvo raras exceções.Pedir desculpas por descontar nelas a minha frustração e as minhas expectativas exageradas e desesperadas,que só geram ações exasperadas.Torno-me rude,grosso e estúpido.E nem é preciso fazer nada disso.Não acho que as pessoas me retribuam muita coisa boa mas não quero ser mau e nem fazer mal.Isso não.Quero me redimir.Quero voltar para minha casa na cidade mais renovado.Poder brincar mais com meus cachorros.Poder fazer os carinhos que eles tanto gostam e pedem.Sim,eles pedem.Cachorro é gente.E nós somos uns cachorros.As pessoas não prestam muito e não são muito confiáveis,sabe?Cachorros são amigos,confiáveis e são bonitos.Sempre bonitos,apesar de alguns parecerem estranhos,sempre há beleza neles.Seja no pelo(agora sem acento circunflexo),seja nos olhos,seja na lingua que pende pra fora da boca e fica pingando baba pela casa inteira.Eu não sei,eu queria entender mais das coisas.Entender mais o mundo,me entender melhor.E é nesses momentos que eu descubro muita coisa.Em estradas desertas,ao tomar chocolate quente na Serra,ao ouvir música no meu discman.Sempre é possível se descobrir um pouco mais.E isso é lindo.Nós todos somos infinitos e eternos.Há na nossa existência algo de muito eterno,apesar de não durar pra sempre.Enquanto estamos vivos somos pra sempre.A vida é duvidosa.A gente nunca sabe quando vai morrer,então poderia ser hoje,amanhã.Poderia ser agora.Neste momento,neste carro,nesta estrada.A estrada é longa e eu vejo um posto de gasolina.Decido parar,abastecer,ir ao banheiro e voltar pra estrada.Nesse tempo,converso com as pessoas que trabalham no posto.Gosto,às vezes,de ouvir o povo.De ouvir as falas populares.Acho engraçado as pessoas se sentirem tão grandes,tão fortes,tão seguras,tendo apenas sua fé,suas superstições,seus mitos,suas observações sem embasamento e seus problemas.Muitos problemas.Que passam como nada pelos olhos dessas pessoas.É coragem,é força,é beleza.Em tudo há beleza.Tudo é bonito quando a gente quer.O banheiro do posto não é bonito,nem engraçado.Nem um pouco engraçado.Saio do banheiro e despeço-me educadamente das pessoas que ali trabalham.Vamos pular um pouco o trajeto.
Três horas depois chego numa cidade estranha,feia e pobre mas gosto dela.Decido ficar ali durante a noite.Nada é confortável mas isso não é problema.Eu não ligo.Desculpe,na verdade,eu ligo sim.Mas hoje eu quero não ligar.E foi isso que eu fiz.Durmi como se estivesse em casa.No dia seguinte,pedi a conta da diária e peguei a estrada novamente.Um mês depois,eu voltei pra casa e comecei a ficar um pouco entediado.Comecei a passear mais vezes e tentei levar minha família junto,só que não funcionou.É sempre bom viajar.Nos arranca dessa nossa visão de mundo limitada a um único ambiente,a um único grupo de pessoas.Ainda bem que se pode viajar por aí.

4 comentários:

Báah - Thoughtless disse...

eu queria fazer um comentário construtivo.

Mas, não há o que dizer. Seu texto disse tudo.

Táxi Pluvioso disse...

Viagens pela estrada fora, desencontra-se / incontrar-se, prefiro as cidades, mas não digo que não haja alguma beleza na natureza...

Tem graça, eu também ainda uso o discman, oh tecnologia que tardas!

E nas cidades há boas entrevistas. Entrevistas em Nova Iorque.

Nádia C. disse...

realmente quando fiz minha postagem lembrei de você, mas asqueles dois trechos de muscias se completam a do "The Scientist" com do "The Tourist". e me acalmam.

Nádia C. disse...

agora sobre o post: noooooooooooossa, é, você disse tudo! adorei o texto, gostei mesmo. Parece tudo tão perdido na cidade, Tanta gente junta e todos sozinhos. tudo tão confuso.