sexta-feira, 10 de abril de 2009

Sobre dores desimportantes e viadagens

A minha é uma.Uma dor desimportante.Eu não tenho uma perna a menos,não nasci em favela(bem perto delas,é verdade,mas não em uma exatamente,apesar de às vezes achar que sim),não tenho síndrome de down,não fui pra guerra,minhas dores incomodam mas ninguém liga.Claro que ninguém liga.Dores como a minha são,como posso dizer?Viadagem.Pura viadagem.Pode ser que eu esteja clamando por algo idiota mas respeitem as dores alheias.É verdade,vamos dar prioridade à solução para o câncer e não para uma pré-depressão,semi-incômodo adolescente.Uma hora passa.E se não passar?Eu me sinto um adolescente desde os 9 anos de idade,então.Eu sempre pensava:"Uma hora eu fico que nem eles".Mas até agora nada.E as exigências e problemas são cada vez maiores.Está complicado.Mesmo.E aí?O que eu faço?Eu posso dormir.Dormir sempre ajuda.Mas...ah,não.Não há mais tempo para dormir.Tenho que estudar.Então vira um ciclo vicioso de dor,desordem e...viadagem.

Muito confuso.Nem eu entendi muito bem,mas ok.

5 comentários:

Báah - Thoughtless disse...

Eu só não espero chegar aos 50 sem que tenha passado.

No meu caso, a dor está ligada a vontades difíceis de alcançar.

Táxi Pluvioso disse...

Os deuses estão cada vez mais sofisticados. Boa Páscoa.

Humana disse...

Se formos comparar as nossas dores com determinadas dores como aquelas de que falaste, realmente as nossas tornam-se ridiculas.
Apesar de tudo e por experiência própria, continuo a considerar que as dores na alma são piores que as dores do corpo...
Beijinhos.

Nádia C. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nádia C. disse...

eu me sinto como você quando vejo os exemplos citados. concordo com a moça de cima...

anyway. "faça sua dor dançar"

como se fosse fácil né?

ah não chame de viadagem, isso são os outros(e que na realidade não importa quem seja, porque não importa o que dizem) que falam essas asneiras.