quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

E volta aquela temática de extremo pessimismo e de uma rabugentice quase inexplicável.Sim,a vida é de um desespero sem fim.Quando imagina-se ter paz e estar acolhido,volta a luta contra o nada,contra aquela parte da sua personalidade que você odeia.E,por mais que as pessoas à volta influenciem,é sempre uma briga contra você mesmo,não tem jeito.Eu sei disso e até o Thom Yorke sabe disso(vide Climbing Up The Walls),aquela parte da sua personalidade que você odeia sempre volta.Porque,em essência,você é aquilo.Se você relaxar,der mole,pronto,você volta a ser aquilo.Como no refrão:
"Either way you turn,I'll be there
Open up your skull,I'll be there
Climbing up the walls"
Essa minha personalidade sempre dá um jeito de voltar,não importa se eu escondo meu passado em um armário ou em estantes pras quais eu nunca olho.Também não adianta esquecer os antigos "amigos" e colegas.É verdade,eles nunca ajudaram mas a briga é interna,e quando se vence essa batalha interna,pronto.Mas a vitória tem a curta duração de um ano(um pouco mais ou um pouco menos).Para mostrar como Thom Yorke é cara safo:
"I am the key to the lock in your house,that keeps your toys in the basement.
And if you get to far inside,you'll only see my reflection.
It's always best when the light is off.I am the pick in the ice.
Do not cry out or hit the alarm.You know we're friends til' we die."
Vou ter que repetir essa parte:"Do not cry out or hit the alarm.You know we're friends til' we die"Muitíssimo bem colocada aqui.Não adianta querer gritar,reagir,mostrar pras outras pessoas como você se sente,a situação só piora e no ápice do seu vale de lágrimas,um insight maldito acaba te mostrando que esse sentimento e esse desamparo já vêm te acompanhando faz tempo e isso não parece que vai mudar.
Eu dou graças(à Deus?)pelo fato de que o Thom Yorke usa a temática em um cd e depois que a obra está feita,simplesmente se desvencilha dela.Se ele fosse se aprofundar na temática do Ok Computer,ele acabaria como o Kurt Cobain,por exemplo.O Thom tinha muito potencial pra ser o próximo drogado,suicida do rock,só que não quis a vaga(bom pra nós) e o Radiohead continua fazendo ótimos álbuns por aí.Eu falei no Kurt,porque tenho ouvido falar bastante nele,devido a um fanático lá da escola.Lá tem até um garoto com um All-Star personalizado do Kurt(que foi 140 reais),com letras de músicas do Nirvana.Hoje eu até vi uns clipes do Nirvana.E a banda ainda me faz sentir estranho.Acho que é por causa da intimidade de antes.O Nirvana ganhou todo um significado macabro pra mim,porque não dá pra ouvir a banda,sem lembrar do Kurt Cobain e quando eu penso nele,penso em quanto ele foi idiota em se matar e tudo mais.Digo,não somente,o suicídio imediato mas o que vinha acontecendo indireta e lentamente com o uso de drogas.Fico muito triste tanto com ele quanto com o Ian Curtis,mas ainda dá pra ouvir Joy Division melhor,porque é genial demais pra não se ouvir.As letras,a atmosfera criada,tudo.Ainda mais tendo as Peel Sessions do Joy Division,o cd com músicas do Warsaw e a coletânea Still.Só porque eu não gosto muito do Closer.
Abaixo segue a letra completa de Climbing Up The Walls do Radiohead:
I am the key to the lock in your house
That keeps your toys in the basement
And if you get too far inside
You'll only see my reflection
It's always best when the light is off
I am the pick in the ice
Do not cry out or hit the alarm
You know we're friends till we die
And either way you turn, I'll be there
Open up your skull, I'll be there
Climbing up the walls
It's always best when the light is off
It's always better on the outside
Fifteen blows to the back of your head
Fifteen blows to your mind
So lock the kids up safe tonight
Put the eyes in the cupboard
I've got the smell of a local man
Who's got the loneliest feeling
That either way you turn, I'll be there
Open up your skull and I'll be there
Climbing up the walls
Climbing up the walls

3 comentários:

Nádia C. disse...

YOU COME BACK!

que bom!!

beijos
ja mandee sua carta viu? mas ela vai demorar a chegar D:

Nádia C. disse...

hey. li só agora seu post!!

tipo, já li uma biografia do Kurt(apesar de não acreditar muito em biografias) ele realmente foi o interlocutor de uma geração, todas as letras sobre sua dor foram muito signifcativas pra muita gente, inclusive pra mim(comecei com Nirvana)

mas esse negócio do All Starr pra mim foi o cumulo, é a mesma coisa de criar uma coleção de langerie(n sei como escreve) com a foto do Che Guevara!podre! puro comercialismo, puro capitalismo. e os fãs de verdade que compreenderam um pouco do Kurt não deviam coloaborar com isso, acho meio modismo.

Enfim, ahhhhhhh falar de Radiohead,é maravilhoso. eles sempre sabem o que sinto *-*

Báah - Thoughtless disse...

"You know we're friends till we die"

Há coisas que só podem ser resolvidas ( ou minimizadas) dentro de nós mesmos.

O nirvana é uma ótima banda, apesar de não ser tão genial como outras...
O Kurt foi alguém com uma vida que não foi tão fácil e que não soube administrar as oportunidades quando elas vieram...