quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Eu sinto culpa.Uma culpa imensa e sobre a qual eu nada sei.Eu não sei como nem por que cheguei a ela.Talvez seja culpa por não ter aproveitado a vida tanto quanto podia.Talvez culpa por ter abandonado aqueles que sempre estiveram do meu lado.Ou podia ser simplesmente culpa.É possível ter culpa assim?A culpa pela culpa?Isso existe?Acho que existe e tenho quase certeza de que é isso que estou sentido agora.Eu olho para a casa vazia e observo as paredes brancas e lembro do esforço que foi construí-la.Quantas pessoas já passaram por aqui?Quantos almoços em família e quantas festas se passaram aqui?Agora a casa permanece vazia.A única coisa que preenche os espaços da casa é a minha melancolia.E,claro,a minha culpa.Todas as pessoas que me juraram amor e lealdade,eu fiz com que se afastassem de mim,lentamente.Não foi proposital é claro.Só um monstro faria isso de propósito.Existiam três personagens principais na minha vida:Glória(minha ex-esposa),Luísa(minha ex-filha) e Alberto(meu ex-melhor amigo).Vou contar como cada um se afastou de mim:

GLÓRIA
Como o nome já diz,era isso que ela representava em minha vida.Era a glória dos meus dias,era o símbolo de minha vitória contra o meu maior medo,o de amar incondicionalmente.Ela me dava tudo que eu precisava:paz,carinho,paciência,atenção e amor.Mesmo que eu não saiba definir precisamente o que é o amor,eu tenho certeza de que era o que acontecia entre nós.O problema é que,junto com o meu amor incondicional,veio um certo desequilíbrio.Eu,antes tão sóbrio,fui tomado pela constante tendência ao exagero.Tive ciúme exagerado.Ela já não me aguentava mais.E eu percebia,cada vez mais,que meu ciúme tinha superado o amor que sentia por ela,então precisava alimentar tudo aquilo,pois era como se fosse meu único vínculo forte com ela.Nem as nossas noites de prazer me satisfaziam mais,só o ciúme.O ápice de minha ira foi quando um amigo de trabalho disse-me que vira a minha mulher num restaurante com outro.Sim,eu sabia que ela sempre almoçava com um antigo colega de trabalho seu em todos os dias úteis.Mas o fato de que alguém de fora da relação estivesse suspeitando uma possível traição,fez com que eu me irritasse completamente.Eu andava pelos corredores do meu serviço imaginando quantos já não me chamavam de "corno".Eu já não falava mais com ela em casa.E um dia ao sair mais cedo do trabalho,passei no restaurante só para ver se os dois estavam devidamente comportados mas ao ver que o colega dela possuía agora mais intimidade com minha esposa do que eu mesmo,despertou algo em mim desumano,primitivo e vulgar.Eu agredi o homem até o ponto em que me vi sem forças para levantar o braço.Encontrei-me cego e observado pelas pessoas como um animal e foi aí que senti extrema vergonha.Passei uma noite na cadeia mas consegui que meu melhor amigo pagasse a fiança pra eu sair.Ela,obviamente,já não mais olhava para a minha cara e pediu o divórcio imediatamente após meu ato de agressividade.

LUÍSA
Digo ex-filha,pois foram as palavras das quais ela mesma se utilizou ao se referir a mim como ex-pai.Entendam,meu ciúme não se resumia às amizades da minha esposa,mas se estendia aos namorados da minha filha.Agredi um deles,meses depois do ato com o colega de minha ex-esposa.Nesse ponto,eu já não tinha mais solução.Alcoólatra,triste e fútil.A cada mês,meu cargo na empresa caía mais,meus amigos se distanciavam e com minha filha não foi igual.Realmente,é um absurdo da parte dela não tentar ajudar o próprio pai quando ele mais precisava,mas ela não estava totalmente errada.Meu vício atrapalhava a vida dela.A vida amorosa(como já expliquei anteriormente) e a vida profissional,pois eu aparecia em estado deplorável no escritório dela,humilhando-a e forçando-a a sair sempre mais cedo do trabalho por isso.

ALBERTO
A pessoa que me aturou por mais tempo.O único amigo sincero e só fui descobrir isso tão tarde.Ele foi quem me ajudou a entrar numa clínica de reabilitação.O problema é que eu não me preocupei com ele como ele se preocupou comigo e descobri que o estresse dele ao me ajudar foi tão grande que acabou adquirindo depressão e a família dele nunca mais deixou que ele falasse comigo.

Hoje estou reablitado e bem mais equilibrado.Só não tenho ninguém.Eu tento entrar em contato com meus familiares mas ninguém me recebe.O que sobrou da minha antiga vida foi apenas esta casa e um cargo na minha empresa(bem baixo).


OBS.:Só pra escrever.

2 comentários:

Báah - Thoughtless disse...

É impressionante depois de ter perdido tanto ele ainda se preocupar com o nível do cargo dele na empresa.

Táxi Pluvioso disse...

Opa nestes dias ex significa dias no tribunal.