sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Perguntas

Qual é a graça?Ainda tem graça?Sobrou alguma?Acho que não.Sim,as coisas já perderam o sentido faz tempo.Não há vontade de continuar.
E a inspiração?Foi-se.
A vontade?Persiste.
É suficiente?Não parece.
O que há de inspirador na minha vida?O que há?Não enxergo.
Algum diálogo com alguma pessoa faz de mim um ser melhor?Não.
A minha rotina,o que vejo,o que está a minha volta parece inspirador?Nem um pouco.
Chega.Eu já não vejo.Devo insistir?Sim.
Será apenas questão de mudar a minha visão sobre as coisas?Sim.
Mas as coisas estão realmente ruins?Sim.
Isso é um jogo da minha mente?Sim.
Por que,Consciência,brincas tanto comigo?É bom.
Bom pra quem?Não sei.
Eu vou chegar louco ao final de meus dias?É provável.
E por quê?Porque você merece.
Por que eu mereço?Encarnações passadas me condenam?Maltratei alguém durante a minha primeira infância propositalmente?Não.Você foi escolhido e ponto final.Não adianta fugir.Eu peso em ti e sempre pesarei.Todo o conhecimento,senso crítico e visão-de-mundo adquiridos serão o que te eleva e também o teu fardo.Eternamente.
E se eu me reconstituir?Matar essa personalidade?Já tentaste?É impossível,tolo.
Mato-me?O punhal está ali.
Obrigado.
____________________________________________________________________
É enorme a confusão do texto anterior.Fragmentado,confuso e é isso.Eu só queria dizer que não consigo mais enxergar beleza na vida.Existiam coisas que me inspiravam.Eu tinha o meu pai pra conversar sobre inúmeras coisas,conversando com ele toda noite,eu via beleza na vida.Ele me ensinou a não lidar de maneira tão negativa com a vida,mas cadê ele agora?Está em São Paulo,eu aqui.Pelo telefone funciona?Um pouco,mas não é a mesma coisa,isso é sem dúvida.Toda essa angústia surgiu porque ele está aqui desde o dia 24 e só vai embora na Segunda-feira.Hoje a gente teve um daqueles diálogos,que costumava ser diário,e eu percebi o quanto as coisas eram mais fase há 3/4 meses atrás.Eu lembro que desde que ele foi,minha vida cultural morreu.Eu lembro que toda Sexta-feira,ou quase toda,estávamos procurando por algum filme ou peça teatral no CCBB aqui do Rio.Eu lembro o quanto eu tenho que me rebaixar pra não ter que brigar com a minha mãe,para conseguir suportar toda a futilidade e todo o vazio que ela representa.Como pode ser uma mãe o símbolo-mor de futilidade na vida de um filho?Tenho sentido tanta vontade de dizer:
_Eu quero uma mãe,não uma empregada,não uma babá.
É assim que sou tratado.Ela lava,passa,cozinha,é ótima dona-de-casa.Quando eu era pequeno,todos me achavam lindo por ser tão arrumadinho e tudo mais.Mas ela se sacrifica por mim?A preocupação dela comigo só acontece a nível de proibição.Sempre proíbe.Na hora de me levar a algum lugar:não pode.Proíbe mas não esforça-se para que eu possa ir nos lugares de acordo com as condições que ela mesma impõe.Quanto tempo da minha vid eu passei tentando me impôr frente a ela?Quantos noites na minha infância o chuveiro ficou encharcado de lágrimas e catarro,de choro de raiva.De choro de nojo.De choro de desgosto.De choro.Quanto eu poderia ter aproveitado a mais da minha vida,se não fosse pelo medo de pedir pra sair.Eu tinha medo de pedir pra sair,pelo estresse causado pela situação.Só ao pedir,ela ficava irritada.Quanto tempo eu perco escrevendo sobre o quanto ela só me puxa pra trás?Quantos posts nesse blog são culpa dela,direta(como esse aqui) ou indiretamente.Tudo que me incomoda na minha personalidade está ligado a ela(frase provavelmente já escrita outras vezes por aqui).O quanto deve ser um saco entrar num blog e ver reclamações babacas tão pessoais,em vez dos textos de teor filosófico e útil para o resto da sociedade,que reinavam no início do blog?Ou será que se sente prazer no sofrimento do outro?Sentem conforto ao ler isso?Respondam,por favor,como sentem-se ao ler isso.Acho que o sofrimento alheio sempre foi um comforto pra mim.Algo do tipo:
_Eu não estou tão sozinho assim.
Sempre.Quer dizer,sempre,até o dia em que eu parei de ter tempo pra isso.O que ocorreu faz uns dois anos.E o Natal de vocês?De vocês que lêem?Foi bom?Respondam.O meu foi,obrigado.Eu joguei videogame e comi bastante.Qual é o sentido do Natal,mesmo?Aniquilar a importância de festas pagãs que ocorrem na mesma época?Ser o símbolo máximo do consumismo desenfreado,perdido e descontrolado?Por que ninguém admite isso?Por que quandos meus familiares me abraçaram ao desejar Feliz Natal,eles falaram:"Feliz Natal.Que seus caminhos sejam iluminados,que você continue sendo esse menino abençoado."?
Por que?Por que?Por que?Por que minha mente resolveu processar esse monte de perguntas,às duas horas da manhã do dia depois de Natal?Será por que a minha prima está aqui?Será que é porque eu lembro dos três anos em que ela morou aqui e eu fui o irmão mais novo?Será que eu lembrei inconscientemente do que aqueles três anos causaram em mim?Será que estou gostando de me sentir protegido de novo?Será que se eu tivesse continuado como irmão mai novo,sem tanta obrigação de ter sucesso,eu teria seguido o caminha que segui?Isso importa agora?Quantos pontos-de-interrogação existem nessa postagem?Como eu consegui chegar a 104 postagens?Eu queria que esse blog durasse,mas não acreditava muito na duração dele.Hoje ele é necessário.Totalmente.Excessivamente necessário.E eu vou ficar triste quando meu pai voltar pra São Paulo,na Segunda-feira?Quão triste?Triste a ponto de escrever mais do que hoje ou a ponto de chorar e,com isso,resolver meus problemas.
Outro assunto me veio a mente agora.Ao falar de chorar,lembrei disso.O "chorar" deveria ser usado como terapia.Como chorar é bom,quer dizer,quando precisa aliviar alguma mágoa.Eu já pensei em chorar todo dia,seria fácil até,mas acabei não levando à frente.Chorar ajuda.Eu poderia tentar ser pioneiro em "Choroterapia" ou "Lagrimoterapia".Já deve existir algo do tipo,eu só precisaria me especializar,fazer vários cursos em cima disso e investir bastante.Seria uma pequena área dentro de psicologia.Mas será que eu teria equilíbrio pra lidar com a mente de outra pessoa?Caso você conversasse comigo um dia desses,pessoalmente,provavelmente diria que sim.Lendo meus textos fica claro meu desequilíbrio.Ou será que todo mundo é desequilibrado,só não escreve(como eu) ou não compõe músicas(como o Thom Yorke,a Bjork,a Beth Gibbons)?Claro,não querendo me comparar,em textos,aos compositores acima,em música.Com certeza,não.Ou sim?Qual é a distância entre os autores e compositores conhecidos e os que estão sentados atrás de telas de computador,escrevendo para 5 pessoas?A diferença é a sorte?É o empreendedorismo?É alguma clareza a mais de pensamentos?Quem sabe?
Por falar em "Quem sabe",o Los Hermanos tem planos pra volta em 2009.Sim,o show de despedida foi só uma puta jogada de marketing,como já era esperado por mim.O Amarante declarou em uma conversa com um blogueiro desses aí,em um bar antes do show do Little Joy que a banda voltaria pra fazer um show de reunião e,depoi,só sairía de estúdio com um cd pronto.Que felicidade!"Quem sabe o que é ter e perder alguém?"Eu não sei.Realmente,não sei.Até sei,só que de maneira bem sutil.Pensando no significado de relacionamento afetivo,namoro que a música tem.O post ficou grande demais?É mesmo?Deve ser porque...é Natal!Na verdade já não é mais,por estar de madrugada mas o espírito natalino é recente,o cheiro de Natal não está muito longe.
Eu pensei em cheiro e pensei também em cheiro ruim,cheiro de lixo,lembrei de outra coisa.Os lixeiros estão em greve de novo por aqui.Eles estão de sacanagem,de novo.Deveria eu ver o lado deles?Deveria eu enxergar que é correto,da parte deles,reivindicar?Ou eu fico daqui,só vendo o meu lado e o quanto é ruim ter a rua com lixo?Principalmente,em dias de chuva,como todos já sabíamos que iriam acontecer ao decorrer da semana.Há riscos de alagamento,contaminação por tétano,leptospirose e várias outras doenças,juntando-se o lixo nas ruas com a chuva empoçada nas ruas.O lixo entope os bueiros,ocorrem alagamentos,as pessoas morrem e os lixeiros ganham mais dinheiro.Quem é egoísta aqui?Também lembrei do descuido das pessoas,deixando lixo nas ruas,jogando em qualquer lugar,causando também os acidentes citados acima.Pessoal,pára de jogar lixo na rua.Há lixeira.Conscientizem-se.É tão óbvio.Nem sei se deveríamos chamar de consciência.É instinto de auto-preservação.Mas nem instintos úteis e inteligentes tem esse povo bárbaro,retrógrado,ou melhor,burro.As pessoas daqui são detestáveis.Eu não sei se estou falando de São Gonçalo,do Rio de Janeiro ou do Mundo.Eu gostaria de viajar pelo mundo pra saber como são as pessoas.Eu fui à Zona Sul de São Paulo,que fica a não mais de 6 horas daqui(por meio viário) e descobri que existem pessoas mais educadas,com hábitos mais bonitos.Há esperança.Há esperança?

3 comentários:

Mel. disse...

Ufa!
Vi que você se abriu completamente neste texto, principalmente na parte que diz respeito a sua mãe.
Não sei o que posso te dizer agora, black. Não sou muito boa em botar pessoas pra cima, e também acredito que palavras não seriam suficientes para curar a sua dor.


Por isso, seja forte, seja forte...

Báah - Thoughtless disse...

Em relação a dor do outro... bem , eu me sinto mal, com a dor do outro, sou mais sentimental do que deveria.
Nunca tive uma vontade extrema de conhecer Sp, mas parece a mim, mera expectadora, que você se encantou por Sp pelo fato do seu pai, que é a sua referência estar lá...


Sem mais...

Amity disse...

"Eu tinha medo de pedir pra sair,pelo estresse causado pela situação." sei exatamente como é, chegou a um ponto que simplesmente não me animo mais com nada sbae?
Radiohead veio, aquele desespero porque sabi que não ia, choreis semanas e depois? nada
e tantos outros shows que eu queria ir mas que quando sei que algum artista que eu quero ver vem ao brasil e até a Fortaleza mesmo sinto uma apatia grande.

enfim não sei se é isso, maasss