quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Eu sempre me senti livre como um pássaro.Que voa infinitamente em direção ao conhecimento e à sabedoria.Mas hoje acordei porco.Descobri-me gordo,morando num lugar do qual não gosto,correndo atrás do lixo,que chamo de "objetivos".Não como o porco do Animals de 77,do Pink Floyd que,assim como os pássaros,fica lá,longe,inalcançável,suspenso.Sou um porco,sujo,feio,escroto,vergonhoso.Somos nós todos.





Eu tenho problemas,
mais ninguém,só eu.

As outras pessoas,
são como a maçã que acabei de cortar:
cheias de pequenas
imperfeições.

Os meus problemas,se tornaram
maiores que eu.

Eu sou um tumor ambulante.

3 comentários:

Mel. disse...

Lembra da Viviane Mosé? Ela tem um poema que diz que muitas doenças que as pessoas têm são poemas presos.

http://www.vivianemose.com.br/

Táxi Pluvioso disse...

Como gostas deles, uma nova faixa apareceu na net. bfds

Bárbara Reis disse...

eu queria que as minhas imperfeições fossem pequenas.